quinta-feira, 24 de março de 2011

Retiro espiritual Paraíso dos Pândavas na Revista Viagens Gerais


O Paraíso dos Pândavas(www.pandavas.org.br) conquistou mais uma matéria na mídia impressa, agora na Revista Viagens Gerais. Com tiragem de 35 mil exemplares e publicação mensal, a publicação é voltada ao consumidor de alto padrão, nas principais cidades mineiras e distribuídas em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Goiânia. 90% das agências de viagem de Minas Gerais filiadas a ABAV são assinantes da Viagens Gerais. Se fosse pago, o valor de uma única página na revista sai ao custo de R$9.533,00. Conseguimos a matéria pelo trabalho de nosso consultor de mídia, Harlley Alvez, que convidou o repórter Bruno Albergaria para nosso retiro de yoga que ocorreu em Janeiro. O Bruno amou o lugar e a experiência que teve aqui (e os convidados e nós gostamos muito dele também!)

REFÚGIO DA ALMA

Refúgio está conectado à natureza

A fazenda fica a 17km de Alto Paraíso, que por sua vez está a 220km de Brasília. São 390 hectares com várias cachoeiras e nascentes de onde vem a água que abastece a fazenda. Os chalés, com nomes em sânscrito, ficam distantes da sede e pouco interferem no cenário.

A sede é composta da casa principal - na qual vivem os proprietários do lugar, Giridhari Das e sua esposa Carana (pronuncia-se Tcharana) Renu; uma casa de hóspedes e o templo, onde são feitas as meditações, as refeições e as práticas de yoga. Há aí uma internet wireless, lenta, para quem quiser conectar-se com seu laptop. Os quartos são confortáveis e simples, despojados de televisão ou frigobar, em coerência com a proposta do lugar.

Caminhada até a cachoeira da fazenda Paraíso dos Pândavas

O preconceito é abandonado

Meu preconceito com retiros me fez imaginar algo sério e extremamente cerimonioso, mas tudo desapareceu quando, ao chegar, Giridhari Das nos recebeu com um sorriso leve e um jeito brincalhão. Outra preocupação era com o cardápio da fazenda, que exclui a ingestão de carne. Porém, a comida é deliciosa, com um cardápio extremamente variado, citando culinárias de vários lugares do mundo, como a mexicana, a indiana e a italiana. As sobremesas então, são de arrancar suspiros. Como soube mais tarde, havia também um ingrediente secreto.

A comida feita em devoção a Krishna é chamada Prasadam, e essa energia e carinho especiais podem ser claramente percebidos nos alimentos preparados na fazenda. Como se poderia imaginar, os ingredientes são quase todos orgânicos, a maioria ali plantados e produzidos.

Discretos, chalés de hospedagem não interferem na paisagem

Retiro exige comprometimento

A rotina dos retiros é puxada e as atividades começam logo ao amanhecer. Enquanto o sol surge, o grupo reúne-se no templo para entoar mantras e outras práticas. Logo depois do café, há uma caminhada pelo cerrado rumo a uma das cachoeiras da fazenda. No caminho, a vegetação que, à distância parecia homogênea, revela-se rica e diversificada.

A hora das refeições é aguardada com grande expectativa. Há um pequeno intervalo depois do almoço e novamente se iniciam as práticas de yoga. Mais tarde, Giridhari fala, de forma bem acessível e descontraída, sobre a filosofia da yoga e como vivê-la em nosso dia a dia.

Quem não estiver disposto a participar de todas as atividades pode caminhar pelas trilhas que levam a mirantes e cachoeiras, relaxar nas redes, passear em Alto Paraíso ou ainda conhecer alguns dos muitos atrativos da Chapada dos Veadeiros.

Tive sorte de pegar a lua cheia nascendo grandiosa em frente ao templo, um espetáculo que, assim como o nascer e pôr do sol, hipnotizava a todos. Depois do jantar, iluminada por ela, a trilha até os chalés dispensava as lanternas, permitindo-nos ao mesmo tempo contemplar as estrelas.

Embora atividades e professores possam variar a cada retiro, e estes durem apenas alguns dias, a experiência pode trazer profundas transformações em nossa vida e maneira de pensar e agir.

Participantes se reúnem para uma das muitas atividades



Próximos Retiros (clique em cada para maiores informações): 

Fontes: fórum Krishna-katha; Bruno Albergaria(www.viagensgerais.com.br)
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário